© 1998-2019 por Jacir J Venturi. Todos os direitos reservados.

Artigos

PAIS TIGRES E PAIS PANDAS

Os limites são necessários e cabe aos pais estabelecer quais faixas devem ser mais estreitas, quais mais largas, de acordo com suas convicções e modelos, respeitando as características individuais da personalidade do filho e as suas inteligências múltiplas (Gardner).

O livro Grito de Guerra da Mãe Tigre relata a saga da autora Amy Chua ao educar as duas filhas, hoje com 15 e 18 anos. Amy é descendente de chineses e professora na prestigiada Universidade de Yale, EUA. Foi contumaz em seu objetivo: criar filhas bem-sucedidas na escola, para que o sejam na carreira profissional. Suas exigências eram contundentes: qualquer nota inferior a dez é porque não se esforçou o suficiente; nada de tevê ou games no computador; só participar de atividades esportivas ou recreativas com chance de medalha, de ouro, é claro; não brincar e muito menos dormir na casa das amigas; atividades extracurriculares, somente as escolhidas pela mãe; tocar obrigatoriamente dois instrumentos, desde que seja violino e piano; etc.

Aos pais tigres, rudes, severos e opressores contrapõem-se os pais pandas, desmedidos no elogio, ternura, conforto. Mínimas exigências, muitos presentes em vez de uma presença com ensinamentos e dedicam horas relatando os prodígios do filho. Acima de tudo o afeto e exacerbam nos encômios para manter elevada a autoestima. Geram expectativas irreais e certamente, quando adulto, o seu rebento será acometido de desmesuradas frustrações, pois as pessoas e as empresas pouco ou nada valorizam a autoestima sem o complemento do esforço, trabalho, disciplina e determinação.

O livro de Amy, já traduzido em mais de 30 países, polemizou ao extremo, e os debates emanaram calor, mas também fachos de luz sobre a mais difícil das artes: educar filhos. A tiger-mon, uma típica representante do amor exigente, acredita em suas convicções e assevera que, para a cultura chinesa, os filhos são fortes, aguentam uma rotina espartana de estudos, enquanto os ocidentais (os americanos, em particular) os pressupõem frágeis, e qualquer gesto duro pode traumatizá-los.

Até onde a vista alcança, ter sido igualmente exigente com as duas filhas, sem se importar com suas individualidades, talvez tenha sido o maior dos erros. A mais velha, Sophia, reconhece no New York Post que “agora, com 18 anos, (...) quase deixando a caverna do tigre, sou grata pela maneira que meus pais me educaram e não sofri com todas as pedras e flechas da mãe-tigre. Você nos ensinou que precisamos de esforços em tudo, até para sermos criativos. Desejo viver uma vida significativa e viver plenamente é saber que tentei atingir com o corpo e a mente, os limites do meu potencial. Se eu morresse amanhã, morreria com o sentimento que vivi a minha vida em 110%.”

No entanto, os rigores com um mínimo de liberdade promoveram intensa revolta na filha mais nova, Louisa, a partir dos 13 anos. Forçada pela mãe a comer uma iguaria que não lhe apetecia, em um bistrô de Moscou, arremeteu furiosamente um copo no chão, sob os gritos “eu te odeio”. Este e outros episódios de confronto fizeram com que a mãe-tigre fosse mais concessiva.

Ser exigente sem ser extremado. Quando exercida com equilíbrio, a autoridade é uma manifestação de afeto. E é relevante que nós pais tenhamos no intelecto e no coração um preceito consensual entre os educadores: foi-se o tempo das exigências padronizadas. A suprema sabedoria é cobrar resultados, respeitando a individualidade e promovendo as potencialidades e limitações dos filhos. Reconheço o quão difícil é a prática e, em tom de gracejo, costumo dizer aos pais da escola, com dois ou mais filhos: antes de nascerem, eles já combinaram de um ser diferente do outro, para aborrecer pai e mãe.

Jacir J. Venturi, professor, diretor de escola e autor de livros.

Jacir Venturi