© 1998-2019 por Jacir J Venturi. Todos os direitos reservados.

Artigos

VIGOROSO AVANÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Uma vigorosa transformação nas escolas de Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental ocorreu nas duas últimas décadas. E o melhor, uma expressiva valorização por parte dos pais, enquanto no passado era recorrente a frase: “Ah, meu filho vai para o Jardim só para brincar”. Hoje, dispondo de estatísticas da UNESCO, cerca de 80% das crianças brasileiras frequentam a pré-escola, belo índice, pois é similar ao dos países com elevado grau de desempenho educacional. Um estudo da FGV, recentemente divulgado, concluiu que os meninos e meninas que fizeram a Educação Infantil, ao chegarem ao 5.º ano se diferenciaram significativamente em conhecimento e capacidade de aprendizagem, especialmente em Matemática e Português. Convicto estou, depois de 43 anos de atividade profissional em todos os níveis de ensino, que, se somente em uma fase escolar fosse me dada a opção de colocar meu filho em uma instituição de excelência, não titubearia: não seria na Universidade, nem tampouco no Ensino Médio, mas sim na faixa etária dos 3 aos 8 anos.

Referindo-se à aprendizagem, é comum ouvir que a criança é uma “esponjinha”, pois absorve e retém tudo com muita facilidade quando estimulada. É uma das fases de melhor desenvolvimento neuropsicomotor. Aos 5 anos, a meninada deve estar inserida em um ambiente alfabetizador, num alegre convívio com o mundo das letras. Pais, controlem, no entanto, a ansiedade e evitem comparações: cada menino ou menina tem seu ritmo! Alfabetizar precocemente não significa alfabetizar melhor. A alfabetização e o letramento são processos, não se deve estabelecer uma série como a série da alfabetização e do letramento, mas sim um percurso de enlevo e concomitantemente de estímulo às práticas de leitura, escrita e oralidade.

Por volta dos 6 ou 7 anos, o nosso Einsteinzinho começa a desenvolver o raciocínio lógico, que o habilita a participar de jogos e brincadeiras com regras mais elaboradas.  É uma atividade lúdica e um rito de passagem ao maravilhoso universo da Matemática.

Em décadas passadas, as brincadeiras eram compartilhadas com os irmãos, primos e vizinhos, nos quintais, ruas e parques. Hoje, o filho convive essencialmente com adultos, pequenos animais de estimação, tem acesso a shoppings, games, TVs, tablets. Essa postura sedentária e a ingestão sem controle de guloseimas ou excesso de alimentos no âmbito das famílias são as principais justificativas do contingente de 40% de nossas crianças com sobrepeso.

No ambiente escolar, os aluninhos passam por experiências enriquecedoras: compartilham experiências, cooperam entre si, ampliam o vocabulário, interagem com os coleguinhas, aprendem as regras de convivência no coletivo. E não menos importante: são iniciados aos valores éticos e ao respeito à diversidade, ao meio ambiente, à hierarquia e aos horários, bem como incorporam bons hábitos alimentares. São requisitos indispensáveis para o desenvolvimento da autonomia, do autoconhecimento e da identidade, preparando-os para as fortes exigências futuras e contribuindo para a formação de adultos com boas relações sociais, familiares e profissionais.


Jacir J. Venturi, professor, autor de livros e Presidente das Escolas Particulares do PR (SINEPE/PR).

Jacir Venturi